Ione Saldanha

BIOGRAFIA

Ione Saldanha (Alegrete RS 1919 – Rio de Janeiro RJ 2001). Pintora, escultora e desenhista. Realiza seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no ateliê de Pedro Luís Corrêa de Araújo, em 1948. Viaja para Europa em 1951. Nesse ano, estuda a técnica de afresco na Academia Julian em Paris, França, e em Florença, na Itália. Ao voltar para o Brasil dedica-se à pintura à óleo e, posteriormente, à tinta acrílica. A partir de 1968, adota diversos suportes em o seu trabalho, tais como: ripas e bambus e bobinas de madeira para cabos elétricos.

NASCIMENTO / MORTE

1919 – Alegrete RS – 05 de julho
2001 – Rio de Janeiro RJ – 25 de janeiro

FORMAÇÃO

1948 – Rio de Janeiro RJ – Estuda com Pedro Corrêa Araújo.
1951 – Paris (França) e Florença (Itália) – Estuda a técnica do afresco na Academia Julian e em Florença.

CRONOLOGIA

Pintora, escultora e desenhista

  • 1951 – Paris (França) – Viaja a estudos
  • 1951 – Florença (Itália) – Viaja a estudos

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

  • 1956 – São Paulo SP – Individual, no MAM/SP
  • 1956 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Petite Galerie
  • 1959 – Rio de Janeiro RJ – Individual, no MAM/RJ
  • 1961 – Santiago (Chile) – Individual, na Galeria do Centro Brasileiro de Cultura
  • 1962 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Galeria Relevo
  • 1964 – Berna (Suíça) – Individual, na Galeria Rudolf Manuel
  • 1964 – Roma (Itália) – Individual, na Galleria d’Arte della Casa do Brasil
  • 1965 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Petite Galerie
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Galeria Bonino
  • 1971 – Rio de Janeiro RJ – Individual, no MAM/RJ
  • 1981 – Rio de Janeiro RJ – Individual, no IAB/RJ
  • 1983 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Paulo Klabin
  • 1984 – Rio de Janeiro RJ – Individual, no Artespaço Escritório de Arte
  • 1985 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Paulo Klabin
  • 1987 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Paulo Klabin
  • 1990 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Galeria Anna Maria Niemeyer

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

  • 1948 – Rio de Janeiro RJ – Salão Nacional de Belas Artes/Divisão Moderna – medalha de bronze
  • 1949 – Salvador BA – 1º Salão Baiano de Belas Artes
  • 1953 – São Paulo SP – 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados
  • 1954 – Rio de Janeiro – Salão Nacional de Arte Moderna – prêmio aquisição
  • 1954 – Rio de Janeiro RJ – Salão Preto e Branco
  • 1955 – São Paulo SP – 3ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações
  • 1955 – São Paulo SP – 4º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
  • 1957 – Buenos Aires (Argentina) – Arte Moderna no Brasil
  • 1957 – Rosário (Argentina) – Arte Moderna no Brasil
  • 1957 – Santiago (Chile) – Arte Moderna no Brasil
  • 1957 – Lima (Peru) – Arte Moderna no Brasil
  • 1957 – São Paulo SP – 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
  • 1959 – Leverkusen (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1959 – Munique (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa, no Kunsthaus
  • 1959 – São Paulo SP – 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
  • 1959 – Viena (Áustria) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1959 – Amsterdã (Holanda) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Hamburgo (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Lisboa (Portugal) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Madri (Espanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Paris (França) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – São Paulo SP – Contribuição da Mulher às Artes Plásticas no País, no MAM/SP
  • 1960 – Utrecht (Holanda) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1961 – Rio de Janeiro RJ – Salão Nacional de Arte Moderna
  • 1961 – São Paulo SP – 6ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
  • 1963 – São Paulo SP – 7ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1965 – São Paulo SP – 8ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1967 – Houston (Estados Unidos) – Coletiva, na Kilo´s Gallery
  • 1967 – Londres (Inglaterra) – Coletiva, na Axion Gallery
  • 1967 – São Paulo SP – 9ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Arte no Aterro: um mês de arte pública, no Aterro do Flamengo
  • 1969 – Rio de Janeiro RJ – 7º Resumo de Arte do Jornal do Brasil, no MAM/RJ – prêmio de viagem ao exterior
  • 1969 – São Paulo SP – 10ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal – Prêmio Governador do Estado
  • 1969 – São Paulo SP – 1º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
  • 1970 – Belo Horizonte MG – Objeto e Participação, no Palácio das Artes
  • 1970 – Medellín (Colômbia) – 2ª Bienal de Arte Coltejer
  • 1971 – Nova York (Estados Unidos) – Brasileiros Contemporâneos, na Iramar Gallery
  • 1971 – Rio de Janeiro RJ – Exposição de Múltiplos, na Petite Galeria
  • 1971 – Rio de Janeiro RJ – 1º Salão de Arte da Eletrobrás, no MAM/RJ
  • 1972 – Curitiba PR – 29º Salão Paranaense, no Teatro Guaíra
  • 1972 – São Paulo SP – Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
  • 1972 – São Paulo SP – 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
  • 1973 – São Paulo SP – 12ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1975 – São Paulo SP – 7º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
  • 1977 – Belo Horizonte MG – 9º Salão de Arte de Belo Horizonte
  • 1977 – Rio de Janeiro RJ – Visão da Terra, no MAM/RJ
  • 1977 – Rio de Janeiro RJ – 2º Arte Agora: visão da terra, no MAM/RJ
  • 1977 – Roma (Itália) – 10ª Quadriennalle Di Roma
  • 1979 – São Paulo SP – 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1981 – Rio de Janeiro RJ – Coletiva Nuchy, na Nuchy Galeria de Arte
  • 1981 – Rio de Janeiro RJ – Do Moderno ao Contemporâneo: Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
  • 1982 – Lisboa (Portugal) – Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
  • 1982 – Lisboa (Portugal) – Do Moderno ao Contemporâneo: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
  • 1982 – Londres (Inglaterra) – Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Barbican Art Gallery
  • 1982 – Rio de Janeiro RJ – Contemporaneidade: homenagem a Mário Pedrosa, no MAM/RJ
  • 1984 – Rio de Janeiro RJ – Madeira, Matéria de Arte, no MAM/RJ
  • 1984 – São Paulo SP – Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
  • 1985 – Rio de Janeiro RJ – Encontros, na Petite Galerie
  • 1985 – Rio de Janeiro RJ – 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
  • 1986 – Rio de Janeiro RJ – Tempos de Guerra: Hotel Internacional, na Galeria de Arte Banerj
  • 1986 – Rio de Janeiro RJ – Tempos de Guerra: Pensão Mauá, na Galeria de Arte Banerj
  • 1987 – Rio de Janeiro RJ – Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
  • 1987 – São Paulo SP – As Bienais no Acervo do MAC: 1951 a 1985, no MAC/USP
  • 1987 – Paris (França) – Modernidade – Arte Brasileira do Século XX, no Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris
  • 1988 – Rio de Janeiro RJ – Resumo de 45 Anos de Pintura, na Galeria Anna Maria Niemeyer
  • 1988 – Rio de Janeiro RJ – Resumo de 45 Anos de Pintura, na Galeria Paulo Klabin
  • 1988 – Rio de Janeiro RJ – Resumo de 45 Anos de Pintura, na Galeria Saramenha
  • 1988 – Rio de Janeiro RJ – 2ª Abstração Geométrica, na Funarte. Centro de Artes
  • 1988 – São Paulo SP – Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP
  • 1989 – Rio de Janeiro RJ – Geometria sem Manifesto, no Gabinete de Arte Cleide Wanderley
  • 1989 – Rio de Janeiro RJ – Rio Hoje, no MAM/RJ
  • 1991 – São Paulo SP – A Mata, no MAC/USP
  • 1992 – Rio de Janeiro RJ – 1º A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
  • 1992 – Rio de Janeiro RJ – Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
  • 1992 – São Paulo SP – A Sedução dos Volumes: os tridimensionais do MAC, no MAC/USP
  • 1993 – Rio de Janeiro RJ – Brasil: 100 Anos de Arte Moderna, no MNBA
  • 1994 – Rio de Janeiro RJ – Bambús e Bobinas, na Galeria Anna Maria Niemeyer
  • 1994 – São Paulo SP – Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
  • 1996 – Niterói RJ – Arte Contemporânea Brasileira na Coleção João Sattamini, no MAC/Niteró
  • 1997 – Porto Alegre RS – 1ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul
  • 1997 – Porto Alegre RS – Vertente Construtiva e Design, no Espaço Cultural ULBRA
  • 1997 – São Paulo SP – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural
  • 1998 – Belo Horizonte MG – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural
  • 1998 – Brasília DF – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural
  • 1998 – Niterói RJ – Espelho da Bienal, no MAC/Niterói
  • 1998 – Penápolis SP – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural
  • 1998 – São Paulo SP – Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/SP
  • 1998 – São Paulo SP – O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand – MAM/RJ, no Masp
  • 1999 – Rio de Janeiro RJ – Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/RJ
  • 2000 – Belo Horizonte MG – Ars Brasilis, no Minas Tênis Clube. Galeria de Arte
  • 2000 – Niterói RJ – Coleção Sattamini: dos materiais às diferenças internas, no MAC/Niterói
  • 2000 – Rio de Janeiro RJ – Brasilidades, no Centro Cultural Light
  • 2000 – Rio de Janeiro RJ – Quando o Brasil era Moderno: artes plásticas no Rio de Janeiro de 1905 a 1960, no Paço Imperial

EXPOSIÇÕES PÓSTUMAS

  • 2001 – Niterói RJ – Aluísio Carvão e Ione Saldanha, no MAC/Niterói
  • 2001 – Rio de Janeiro RJ – Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no Paço Imperial
  • 2001 – Rio de Janeiro RJ – Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
  • 2001 – São Paulo SP – Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no MAM/SP
  • 2001 – Belo Horizonte MG – Do Corpo à Terra: um marco radical na arte brasileira, no Itaú Cultural
  • 2002 – Niterói RJ – Diálogo, Antagonismo e Replicação na Coleção Sattamini, no MAC/Niterói
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
  • 2002 – São Paulo SP – Mapa do Agora: arte brasileira recente na Coleção João Sattamini do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no Instituto Tomie Ohtake
  • 2003 – São Paulo SP – Escultores – Esculturas, na Pinakotheke
  • 2003 – Niterói RJ – Apropriações: Curto-Circuito de Experiências Participativas, no MAC/Niterói
  • 2003 – Rio de Janeiro RJ – Ordem x Liberdade, no MAM/RJ
  • 2004 – Rio de Janeiro RJ – 30 Artistas, no Mercedes Viegas Escritório de Arte
  • 2004 – Niterói RJ – Modernidade Transitiva, no MAC/Niterói
  • 2006 – Niterói – RJ – Abrigo Poético – Diálogos com Lygia Clark – (2.9 a 3.12.2006)