Hélio Oiticica

BIOGRAFIA

Hélio Oiticica (Rio de Janeiro RJ 1937 – idem 1980). Artista performático, pintor e escultor. Inicia, com o irmão César Oiticica (1939), estudos de pintura e desenho com Ivan Serpa (1923-1973) no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM/RJ, em 1954. Nesse ano, escreve seu primeiro texto sobre artes plásticas; a partir daí o registro escrito de reflexões sobre arte e sua produção torna-se um hábito. Participa do Grupo Frente em 1955 e 1956 e, em 1959, passa a integrar o Grupo Neoconcreto. Abandona os trabalhos bidimensionais e cria relevos espaciais, bólides, capas, estandartes, tendas e penetráveis. Em 1964, começa a fazer as chamadas Manifestações Ambientais. Na abertura da mostra Opinião 65, no MAM/RJ, protesta quando seus amigos integrantes da escola de samba Mangueira são impedidos de entrar, e é expulso do museu. Realiza, então, uma manifestação coletiva em frente ao museu, na qual os Parangolés são vestidos pelos amigos sambistas. Participa das mostras Opinião 66 e Nova Objetividade Brasileira, apresentando, nesta última, a manifestação ambiental Tropicália. Em 1968, realiza no Aterro do Flamengo a manifestação coletiva Apocalipopótese, da qual fazem parte seus Parangolés e os Ovos, de Lygia Pape (1927-2004). Em 1969, realiza na Whitechapel Gallery, em Londres, o que chama de Whitechapel Experience, apresentando o projeto Éden. Vive em Nova York na maior parte da década de 1970, período no qual é bolsista da Fundação Guggenheim e participa da mostra Information, no Museum of Modern Art – MoMA. Retorna ao Brasil em 1978. Após seu falecimento, é criado, em 1981, no Rio de Janeiro o Projeto Hélio Oiticica, destinado a preservar, analisar e divulgar sua obra, dirigido por Lygia Pape, Luciano Figueiredo (1948) e Waly Salomão (1943-2003). Entre 1992 e 1997, o Projeto HO realiza grande mostra retrospectiva, que é apresentada nas cidades de Roterdã, Paris, Barcelona, Lisboa, Mineápolis e Rio de Janeiro. Em 1996, a Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro funda o Centro de Artes Hélio Oiticica, para abrigar todo o acervo do artista e colocá-lo à disposição do público.

NASCIMENTO / MORTE

1937 – Rio de Janeiro RJ – 26 de julho
1980 – Rio de Janeiro RJ – 22 de março

FORMAÇÃO

1937/1947 – Rio de Janeiro RJ – É educado pela mãe, Angela Oiticica, até os 10 anos, pois seu pai é contra o sistema educacional vigente
1947/1950 – Washington (Estados Unidos) – Freqüenta a Thompson School
1954 – Rio de Janeiro RJ – Estuda pintura com Ivan Serpa (1923 – 1973) no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM/RJ
1969 – Brighton (Inglaterra) – É artista residente na Sussex University
1970 – Nova York (Estados Unidos) – Bolsa de estudo da Fundação Guggenheim

CRONOLOGIA

Artista performático, pintor, escultor

  • 1937/1947 – Rio de Janeiro RJ – Vive nessa cidade
  • 1947/1950 – Washington (Estados Unidos) – Vive nessa cidade
  • 1950/1970 – Rio de Janeiro RJ – Volta a viver no Rio de Janeiro
  • 1952 – Rio de Janeiro RJ – A partir deste ano, escreve peças para teatro
  • 1955/1956 – Rio de Janeiro RJ – Integra o Grupo Frente, liderado por Ivan Serpa
  • 1959 – Rio de Janeiro RJ – Liga-se ao Grupo Neoconcreto
  • 1961 – Rio de Janeiro RJ – Projeto Cães de Caça (maquete), no MAM/RJ. O projeto compreende cinco penetráveis, o Poema Enterrado de Ferreira Gullar e o Teatro Integral de Reynaldo Jardim
  • 1963 – Rio de Janeiro RJ – Produção do 1º Bólide B1 (estruturas manipuláveis)s.d./1964 – Rio de Janeiro RJ – Trabalha com o pai no MNBA
  • 1964 – Rio de Janeiro RJ – Torna-se passista da escola de samba Estação Primeira de Mangueira
  • 1965/1967 – Rio de Janeiro RJ – Trabalha como telegrafista na Companhia de Rádio Internacional do Brasil
  • 1965 – Rio de Janeiro RJ – Expulso do MAM/RJ na abertura da mostra Opinião 65, realiza manifestação coletiva com parangolés na frente do museu, com a presença de integrantes da escola de samba Estação Primeira de Mangueira
  • 1967 – Rio de Janeiro RJ – Por ocasião da mostra Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ, realiza manifestação coletiva com parangolés, capas, poemas de Lygia Pape, com a presença de passistas da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, do público e dos artistas Pedro Escosteguy e Rubens Gerchman
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Com outros artistas, faz manifestação com o estandarte Seja Marginal, Seja Herói, no Largo General Osório, em Ipanema
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Realiza no Aterro do Flamengo a manifestação coletiva Apocalipopótese, com Lygia Pape, Antonio Manuel e Rogério Duarte
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Participa como ator do filme O Câncer, de Glauber Rocha
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Coordena com Rogério Duarte o debate Loucura e Cultura, no MAM/RJ
  • 1969 – Califórnia (Estados Unidos) – Participa com Lygia Clark do 1º International Tactile Sculpture Congress
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Tem seu trabalho documentado nos filmes Arte Pública, de Cirito Martins, e Apocalipopótese, de Raimundo Amado e Leonardo Bartucci
  • 1969 – Londres (Inglaterra) – realiza na Whitechapel Gallery, o que chama de Whitechapel Experience, apresentando o projeto Éden.
  • 1970 – Rio de Janeiro RJ – Participa do evento coletivo Ogramurbana, organizado por Luiz Otávio Pimentel, no MAM/RJ
  • 1970 – Rio de Janeiro RJ – Realiza cenários para shows de Gal Costa, Macalé e Capinam e capas de discos
  • 1970/1978 – Nova York (Estados Unidos) – Vive nessa cidade
  • 1972 – Nova York (Estados Unidos) – Realiza o filme Agripina É Roma Manhattan
  • 1972 – Nova York (Estados Unidos) – Participa do evento coletivo Latin American Fair of Opinion, na St. Clement’s Church
  • 1972 – Pamplona (Espanha) – É representado pelo artista Leandro Katz na manifestação Encontros
  • 1974 – Nova York (Estados Unidos) – Julio Bressane realiza o filme Lágrima Pantera Míssil
  • 1975 – Nova York (Estados Unidos) – Participa como ator do filme One Night on Gay Street, de Andreas Valentin
  • 1978/1980 – Rio de Janeiro RJ – Vive nessa cidade
  • 1978 – Rio de Janeiro RJ – Participa como ator do filme Dr. Dionélio, de Ivan Cardoso
  • 1978 – Rio de Janeiro RJ – Realiza o penetrável Tenda-Luz para o filme Gigante da América, de Julio Bressane
  • 1978 – São Paulo SP – Participa do evento Mitos Vadios, organizado por Ivald Granato, em um estacionamento da Rua Augusta. Escreve para o evento o texto Delirium Ambulatorium e realiza performance com o mesmo nome
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Participa como ator do filme O Segredo da Múmia, de Ivan Cardoso
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Participa como ator do filme Uma Vez Flamengo, de Ricardo Solberg
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Realiza o evento Kleemania, para o qual convida vários artistas, no Bairro do Caju
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Apresenta no Hotel Méridien o Penetrável Rijanviera PN27
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Ivan Cardoso realiza o filme HO
  • 1980 – Rio de Janeiro RJ – Realiza o evento Esquenta pro Carnaval, no Morro da Mangueira
  • 1981 – Rio de Janeiro RJ – Criado o Projeto Hélio Oiticica, destinado a preservar a obra do artista
  • 1987 – Nova York (Estados Unidos) – Marcos Bonisson e Tavinho Paes realizam o vídeo H. O. N. Y.
  • 1987 – Rio de Janeiro RJ – Belisário França realiza o vídeo Lygia Clark e Hélio Oiticica
  • 1990 – Rio de Janeiro RJ – César Oiticica Filho e Andreas Valentin realizam o vídeo Hélio Mangueira Oiticica
  • 1996 – Rio de Janeiro RJ – Fundado o Centro de Artes Hélio Oiticica, pela Secretaria Municipal de Cultura

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

  • 1966 – Rio de Janeiro RJ – Individual, na Galeria G4
  • 1967 – Londres (Inglaterra) – Individual, na Signals Gallery
  • 1969 – Londres (Inglaterra) – Hélio Oiticica: retrospectiva, na Whitechapel Gallery
  • 1971 – Rhode Island (Estados Unidos) – Rhodislândia: contact, na Rhode Island University
  • 1972 – São Paulo SP – Hélio Oiticica: metaesquemas, na Galeria Ralph Camargo
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Penetrável Rijanviera, no Café des Arts do Hotel Meridien

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

  • 1954 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Grupo Frente, na Galeria Ibeu Copacabana
  • 1955 – Rio de Janeiro RJ – 2ª Grupo Frente, no MAM/RJ
  • 1956 – Montevidéu (Uruguai) – Pintura Brasileña Contemporanea, no Instituto de Cultura Uruguayo-Brasileño
  • 1956 – Resende RJ – 3ª Grupo Frente, no Itatiaia Country Club
  • 1956 – São Paulo SP – 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/SP
  • 1956 – Volta Redonda RJ – 4ª Grupo Frente, na CSN
  • 1957 – Buenos Aires (Argentina) – Arte Moderna en Brasil: esculturas, pinturas, dibujos e grabados, no Museo de Arte Moderno
  • 1957 – Lima (Peru) – Arte Moderna no Brasil, no Museo de Arte de Lima
  • 1957 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/RJ
  • 1957 – Rosario (Argentina) – Arte Moderna no Brasil, no Museo Municipal de Bellas Artes Juan B. Castagnino
  • 1957 – Santiago (Chile) – Arte Moderna no Brasil, no Museo de Arte Contemporáneo
  • 1957 – São Paulo SP – 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
  • 1959 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MAM/RJ
  • 1959 – Salvador BA – 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, na Galeria Belvedere da Sé
  • 1959 – São Paulo SP – 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
  • 1959 – Rio de Janeiro RJ – 2ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MEC
  • 1960 – Rio de Janeiro RJ – 2ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MEC
  • 1960 – Rio de Janeiro RJ – 9º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ
  • 1960 – Zurique (Suíça) – Konkrete Kunst, na Helmhaus
  • 1961 – São Paulo SP – 3ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MAM/SP
  • 1965 – Londres (Inglaterra) – Soundings Two Exhibit, na Signals Gallery
  • 1965 – Rio de Janeiro RJ – Opinião 65, no MAM/RJ
  • 1965 – São Paulo SP – 8ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1966 – Belo Horizonte MG – Vanguarda Brasileira, na UFMG. Reitoria
  • 1966 – Rio de Janeiro RJ – Opinião 66, no MAM/RJ
  • 1966 – Salvador BA – 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas – prêmio especial de pesquisa
  • 1966 – São Paulo SP – Proposta 66, na Faap
  • 1967 – Brasília DF – 4º Salão de Arte Moderna do Distrito Federal, no Teatro Nacional Cláudio Santoro
  • 1967 – Paris (França) – 5ª Bienal de Paris
  • 1967 – Rio de Janeiro RJ – Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ
  • 1967 – Rio de Janeiro RJ – Parangolé Social, na Galeria G4
  • 1967 – Tóquio (Japão) – 9ª Bienal de Tóquio
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – Bandeiras na Praça, na Praça General Osório
  • 1968 – Rio de Janeiro RJ – O Artista Brasileiro e a Iconografia de Massa, na Esdi
  • 1970 – Belo Horizonte MG – Do Corpo à Terra, no Parque Municipal de Belo Horizonte
  • 1970 – Nova York (Estados Unidos) – Information, no MoMA
  • 1970 – Rio de Janeiro RJ – Abstração Geométrica: concretismo e neoconcretismo, na Funarte
  • 1972 – Rio de Janeiro RJ – Exposição, no MAM/RJ
  • 1973 – São Paulo SP – Expo-Projeção 73, no Espaço Grife
  • 1976 – São Paulo SP – Arte Brasileira no Século XX: caminhos e tendências, na Galeria de Arte Global
  • 1977 – Rio de Janeiro RJ – Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, no MAM/RJ
  • 1977 – São Paulo SP – 14ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1977 – São Paulo SP – Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, na Pinacoteca do Estado
  • 1978 – São Paulo SP – O Objeto na Arte: Brasil anos 60, no MAB/Faap
  • 1980 – Rio de Janeiro RJ – Homenagem a Mário Pedrosa, na Galeria Jean Boghici

EXPOSIÇÕES PÓSTUMAS

  • 1981 – Rio de Janeiro RJ – Quase Cinema, no MAM/RJ
  • 1982 – Lisboa (Portugal) – Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
  • 1982 – Londres (Inglaterra) – Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Barbican Art Gallery
  • 1982 – Rio de Janeiro RJ – Contemporaneidade: homenagem a Mário Pedrosa, no MAM/RJ
  • 1984 – Londres (Inglaterra) – Portraits of a Country: brazilian modern art from Gilberto Chateaubriand Collection, na Barbican Art Gallery
  • 1984 – Rio de Janeiro RJ – Grupo Frente 1954-1956, na Galeria de Arte Banerj
  • 1984 – Rio de Janeiro RJ – Madeira, Matéria de Arte, no MAM/RJ
  • 1984 – Rio de Janeiro RJ – Neoconcretismo: 1959-1961, na Galeria de Arte Banerj
  • 1984 – São Paulo SP – Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP
  • 1984 – São Paulo SP – Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
  • 1984 – Volta Redonda RJ – Grupo Frente 1954-1956
  • 1985 – Rio de Janeiro RJ – 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
  • 1985 – Rio de Janeiro RJ – Opinião 65, na Galeria de Arte Banerj
  • 1986 – Resende RJ – Grupo Frente 1954-1956, na Galeria de Arte Banerj
  • 1986 – Rio de Janeiro RJ – JK e os Anos 50: uma visão da cultura e do cotidiano, na Galeria Investiarte
  • 1986 – Rio de Janeiro RJ – Lygia Clark e Hélio Oiticica, no Paço Imperial
  • 1986 – São Paulo SP – O Q Faço É Música, na Galeria de Arte São Paulo
  • 1987 – Paris (França) – Modernidade: arte brasileira do século XX, no Musée d´Art Moderne de la Ville de Paris
  • 1987 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Abstração Geométrica: concretismo e neoconcretismo, na Funarte. Centro de Artes
  • 1987 – Rio de Janeiro RJ – Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
  • 1987 – São Paulo SP – 1ª Abstração Geométrica: concretismo e neoconcretismo, no MAB/Faap
  • 1987 – São Paulo SP – Lygia Clak e Hélio Oiticica, no MAC/USP
  • 1987 – São Paulo SP – O Ofício da Arte: pintura, no Sesc
  • 1987 – São Paulo SP – Palavra Imágica, no MAC/USP
  • 1987 – São Paulo SP – Tropicália 20 Anos, no Sesc Pompéia
  • 1988 – Campinas SP – 13º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
  • 1988 – Nova York (Estados Unidos) – Brazil Projects, no Institute for Art and Urban Resources Inc
  • 1988 – Nova York (Estados Unidos) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no The Bronx Museum of the Arts
  • 1988 – São Paulo SP – MAC 25 Anos: aquisições e doações recentes, no MAC/USP
  • 1988 – São Paulo SP – Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP
  • 1989 – El Paso (Estados Unidos) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no El Paso Museum of Art
  • 1989 – Estocolmo (Suécia) – Art in Latin America: the modern era 1820 – 1980, no Moderna Museet
  • 1989 – Londres (Inglaterra) – Art in Latin America: the modern era 1820-1980, na Hayward Gallery
  • 1989 – Rio de Janeiro RJ – Mundo Abrigo, na Galeria 110 Arte Contemporânea
  • 1989 – Rio de Janeiro RJ – Pequenas Grandezas dos Anos 50, no Gabinete de Arte Cleide Wanderley
  • 1989 – San Diego (Estados Unidos) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no San Diego Museum of Art
  • 1989 – San Juan (Porto Rico) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no Instituto de Cultura Puertorriqueña
  • 1989 – São Paulo SP – Acervo Galeria São Paulo, na Galeria de Arte São Paulo
  • 1989 – São Paulo SP – Grupo Frente e Metaesquemas, na Galeria de Arte São Paulo
  • 1990 – Flórida (Estados Unidos) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no Center for the Arts
  • 1990 – Madri (Espanha) – Art in Latin America: the modern era 1820-1980, no Palácio Velázquez
  • 1990 – Miami (Estados Unidos) – The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Center for the Fine Arts Miami Art Museum of Date
  • 1990 – Rio de Janeiro RJ – Hélio Mangueira Oiticica, na UERJ. Centro de Educação e Humanidades
  • 1990 – São Paulo SP – Coerência -Transformação, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
  • 1991 – São Paulo SP – Construtivismo: arte cartaz 40/50/60, no MAC/USP
  • 1992 – Barcelona (Espanha) – Hélio Oiticica: retrospectiva, na Fundació Antoni Tàpies
  • 1992 – Curitiba PR – 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba/Mostra América, no Museu da Gravura
  • 1992 – Paris (França) – Latin American Artists of the Twentieth Century, no Centre Georges Pompidou
  • 1992 – Poços de Caldas MG – Arte Moderna Brasileira: acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, na Casa da Cultura
  • 1992 – Rio de Janeiro RJ – 1ª A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
  • 1992 – Rio de Janeiro RJ – Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
  • 1992 – Rotterdã (Holanda) – Hélio Oiticica: retrospectiva, no Witte de With Center for Contemporary Art
  • 1992 – São Paulo SP – Branco Dominante, na Galeria de Arte São Paulo
  • 1992 – Sevilha (Espanha) – Latin American Artists of the Twentieth Century, na Estación Plaza de Armas
  • 1992 – Zurique (Suíça) – Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, no Kunsthaus Zürich
  • 1993 – Colônia (Alemanha) – Latin American Artists of the Twentieth Century, no Kunsthalle Cologne
  • 1993 – Lisboa (Portugal) – Hélio Oiticica: retrospectiva, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
  • 1993 – Minneapolis (Estados Unidos) – Hélio Oiticica: retrospectiva, no Walker Art Center
  • 1993 – Nova York (Estados Unidos) – Latin American Artists of the Twentieth Century, no MoMA
  • 1993 – Rio de Janeiro RJ – Brasil, 100 Anos de Arte Moderna, no MNBA
  • 1993 – Rio de Janeiro RJ – Hélio Oiticica: retrospectiva, no Centro de Arte Hélio Oiticica
  • 1993 – São Paulo SP – A Arte Brasileira no Mundo, uma Trajetória: 24 artistas brasileiros, na Dan Galeria
  • 1993 – São Paulo SP – O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
  • 1994 – Belo Horizonte MG – O Efêmero na Arte Brasileira: anos 60/70
  • 1994 – Penápolis SP – O Efêmero na Arte Brasileira: anos 60/70, na Galeria Itaú Cultural
  • 1994 – Rio de Janeiro RJ – O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
  • 1994 – Rio de Janeiro RJ – Trincheiras: arte e política no Brasil, no MAM/RJ
  • 1994 – São Paulo SP – 22ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1994 – São Paulo SP – Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
  • 1994 – São Paulo SP – Bloco – Experiências in Cosmococa – Programa in Progress, na Galeria de Arte São Paulo
  • 1994 – São Paulo SP – O Efêmero na Arte Brasileira: anos 60/70, no Itaú Cultural
  • 1995 – Rio de Janeiro RJ – Opinião 65: 30 anos, no CCBB
  • 1996 – Brasília DF – O Efêmero na Arte Brasileira: anos 60/70, na Galeria Itaú Cultural
  • 1996 – Niterói RJ – Arte Contemporânea Brasileira na Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
  • 1996 – Rio de Janeiro RJ – Tendências Construtivas no Acervo do MAC/USP: construção, medida e proporção, no CCBB
  • 1996 – São Paulo SP – Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP:1920-1970, no MAC/USP
  • 1996 – São Paulo SP – Desexp(l)os(ign)ição, na Casa das Rosas
  • 1997 – Kassel (Alemanha) – 10ª Documenta
  • 1997 – Niterói RJ – Visões e (Sub) Versões, no MAC/Niterói
  • 1997 – Porto Alegre RS – 1ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, na Aplub; na Casa de Cultura Mário Quintana; na DC Navegantes; na Edel; na Usina do Gasômetro; no Instituto de Artes da UFRGS; na Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul; no Margs; no Espaço Ulbra; no Museu de Comunicação Social; na Reitoria da UFRGS e no Theatro São Pedro
  • 1997 – Porto Alegre RS – Vertente Construtiva e Design, no Espaço Cultural Ulbra
  • 1997 – Porto Alegre RS – Vertente Política, na Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul
  • 1997 – São Paulo SP – Escultura Brasileira: perfil de uma identidade, no Espaço Cultural Safra
  • 1997 – São Paulo SP – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural
  • 1997 – Washington (Estados Unidos) – Escultura Brasileira: perfil de uma identidade, no Centro Cultural do BID
  • 1998 – Barcelona (Espanha) – Out of Actions Between Performance and the Object: 1949-1979, no Museu d’Art Contemporani
  • 1998 – Belo Horizonte MG – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural
  • 1998 – Brasília DF – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural
  • 1998 – Los Angeles (Estados Unidos) – Out of Actions Between Performance and the Object: 1949-1979, no The Museum of Contemporary Art
  • 1998 – Niterói RJ – Espelho da Bienal, no MAC/Niterói
  • 1998 – Penápolis SP – Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural
  • 1998 – Rio de Janeiro RJ – Anos 60/70: Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
  • 1998 – Rio de Janeiro RJ – Arte Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo: doações recentes 1996-1998, no CCBB
  • 1998 – Rio de Janeiro RJ – Hélio Oiticica e a Cena Americana, no Centro de Artes Hélio Oiticica
  • 1998 – Rio de Janeiro RJ – Poéticas da Cor, no Centro Cultural Light
  • 1998 – Rio de Janeiro RJ – Trinta Anos de 68, no CCBB
  • 1998 – São Paulo SP – 24ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1998 – São Paulo SP – Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/SP
  • 1998 – São Paulo SP – Canibáliafetiva (1998 : São Paulo, SP) – A Estufa
  • 1998 – São Paulo SP – Fronteiras, no Itaú Cultural
  • 1998 – São Paulo SP – O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Masp
  • 1998 – São Paulo SP – Teoria dos Valores, no MAM/SP
  • 1998 – Viena (Áustria) – Out of Actions Between Performance and the Object: 1949-1979, no Austrian Museum of Applied Arts
  • 1999 – Brasília DF – LHL: Lygia Clark, Hélio Oiticica, Lygia Pape, na Galeria da Caixa Econômica Federal
  • 1999 – Los Angeles (Estados Unidos) – The Experimental Exercise of Freedom, no Museum of Contemporary Art
  • 1999 – Rio de Janeiro RJ – Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/RJ
  • 1999 – Rio de Janeiro RJ – Cotidiano/Arte. Objeto Anos 60/90, no MAM/RJ
  • 1999 – Rio de Janeiro RJ – Do Plano ao Espaço, no Centro de Artes Hélio Oiticica
  • 1999 – São Paulo SP – Cotidiano/Arte. Objeto Anos 60/90, no Itaú Cultural
  • 1999 – São Paulo SP – O Brasil no Século da Arte, na Galeria de Arte do Sesi
  • 1999 – São Paulo SP – Por que Duchamp?, no Paço das Artes
  • 1999 – Tóquio (Japão) – Out of Actions Between Performance and the Object: 1949-1979, no Hara Museum of Contemporary Art
  • 2000 – Havana (Cuba) – 7ª Bienal de Havana, no Centro de Arte Contemporáneo Wifredo Lam
  • 2000 – Lisboa (Portugal) – Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
  • 2000 – Praga (República Tcheca) – Beyond Preconceptions: the sixties experiment, na National Gallery
  • 2000 – Rio de Janeiro RJ – Quando o Brasil era Moderno: artes plásticas no Rio de Janeiro de 1905 a 1960, no Paço Imperial
  • 2000 – Rio de Janeiro RJ – Situações: arte brasileira anos 70, na Fundação Casa França-Brasil
  • 2000 – São Paulo SP – Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
  • 2001 – Belo Horizonte MG – Do Corpo à Terra: um marco radical na arte brasileira, no Itaú Cultural
  • 2001 – Nova York (Estados Unidos) – Brazil: body and soul, no Solomon R. Guggenheim Museum
  • 2001 – Oxford (Individual) – Experiment Experiência: art in Brazil 1958-2000, no Museum of Modern Art
  • 2001 – Paris (França) – Da Adversidade Vivemos, no Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris
  • 2001 – Rio de Janeiro RJ – Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no Paço Imperial
  • 2001 – São Paulo SP – Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no MAM/SP
  • 2001 – São Paulo SP – Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural
  • 2002 – Austin (Estados Unidos) – Brazilian Visual Poetry, no Mexic-Arte Museum
  • 2002 – Fortaleza CE – Ceará Redescobre o Brasil, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
  • 2002 – Liverpool (Inglaterra) – Pot
  • 2002 – Londres (Inglaterra) – Hélio Oiticica: Quasi-Cinemas, na Whitechapel Art Gallery
  • 2002 – Londres (Inglaterra) – Vivências: dialogues between the works of Brazilian artists from the 1960s to 2002, na New Art Gallery Walsall
  • 2002 – Niterói RJ – Acervo em Papel, no MAC/Niterói
  • 2002 – Niterói RJ – Coleção Sattamini: modernos e contemporâneos, no MAC/Niterói
  • 2002 – Niterói RJ – Diálogo, Antagonismo e Replicação na Coleção Sattamini, no MAC/Niterói
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Mostra Rio Arte Contemporânea, no MAM/RJ
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Arquipélagos: o universo plural do MAM, no MAM/RJ
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Artefoto, no CCBB
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
  • 2002 – Rio de Janeiro RJ – Paralelos: arte brasileira da segunda metade do século XX em contexto, Collección Cisneros, no MAM/RJ
  • 2002 – São Paulo SP – Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
  • 2003 – Brasília DF – Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
  • 2003 – Brasília DF – Artefoto, no CCBB
  • 2003 – Buenos Aires (Argentina) – Geo-Metrias: abastracción geométrica latinoamericana en la Colección Cisneros, no Malba
  • 2003 – Cidade do México (México) – Cuasi Corpus: arte concreto y neoconcreto de Brasil: una selección del acervo del Museo de Arte Moderna de São Paulo y la Colección Adolpho Leirner, no Museo Rufino Tamayo
  • 2003 – Rio de Janeiro RJ – Bandeiras do Brasil, no Museu da República
  • 2003 – Rio de Janeiro RJ – Hélio Oiticica: cor, imagem e poética, no Centro de Arte Hélio Oiticica
  • 2003 – Rio de Janeiro RJ – Ordem x Liberdade, no MAM/RJ
  • 2003 – São Paulo SP – Arte e Sociedade: uma relação polêmica, no Itaú Cultural
  • 2003 – São Paulo SP – Arteconhecimento: 70 anos USP, no MAC/SP
  • 2003 – São Paulo SP – Momentos Frames, Cosmococa, na Galeria Fortes Vilaça
  • 2003 – São Paulo SP – Momentos Frames, Cosmococa II, na Galeria Fortes Vilaça
  • 2003 – Veneza (Itália) – 50ª Bienal de Veneza, no Arsenale e Giardini della Biennale
  • 2004 – Niterói RJ – Modernidade Transitiva, no MAC/Niterói
  • 2004 – Rio de Janeiro RJ – Arte Contemporânea Brasileira nas Coleções do Rio, no MAM/RJ
  • 2004 – São Paulo SP – Pintura Reencarnada, no Paço das Artes
  • 2004 – São Paulo SP – Plataforma São Paulo 450 Anos, no MAC/USP
  • 2005 – Rio de Janeiro RJ – Soto: a construção da imaterialidade, no CCBB
  • 2005 – São Paulo SP – O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira, no Itaú Cultural
  • 2005 – Rio de Janeiro RJ– Hélio Oiticica, Galeria de Arte Ipanema
  • 2005 – Rio de Janeiro RJ– Cosmococa – Centro Hélio Oiticica
  • 2005 – Rio de Janeiro RJ – Soto: a construção da imaterialidade, Centro Cultural Banco do Brasil
  • 2005 – São Paulo SP – Através, ou a Geometria Corrompida, Galeria Bergamin
  • 2005 – São Paulo SP – Homo Ludens: do faz-de-conta à vertigem, Itaú Cultural
  • 2005 – São Paulo SP – O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira, Itaú Cultural
  • 2006 – Belém PA – 25º Salão Arte Pará
  • 2006 – Houston (Estados Unidos) – Hélio Oiticica: The Body of Color, no The Museum of Fine Arts
  • 2006 – Nova York (Estados Unidos) – Tropicália: a revolution in Brazilian culture, The Bronx Museum of the Arts
  • 2006 – Nova York (Estado Unidos) – Cosmococa – Programa in Progress – Quasi-Cinema CC1 Trashiscapes, na Galerie Lelong
  • 2006 – Recife PE – Arte Moderna em Contexto: coleção ABN AMRO Real, Instituto Cultural Banco Real
  • 2006 – Rio de Janeiro RJ – Arte Moderna em Contexto: coleção ABN AMRO Real, Museu de Arte Moderna
  • 2006 – Rio de Janeiro RJ – Um Século de Arte Brasileira – Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna
  • 2006 – São Paulo SP – Ao Mesmo Tempo o Nosso Tempo, Museu de Arte Moderna (MAM)
  • 2006 – São Paulo SP – Arte Moderna em Contexto: coleção ABN AMRO Real, Banco Real
  • 2006 – São Paulo SP – Concreta ’56: a raiz da forma, Museu de Arte Moderna (MAM)
  • 2006 – São Paulo SP – Parangolés, Paulo Kuczynski Escritório de Arte
  • 2006 – São Paulo SP – Penetrável, Galeria Nara Roesler
  • 2006 – São Paulo SP – Pincelada – Pintura e Método: projeções da década de 50, Instituto Tomie Ohtake
  • 2006 – São Paulo SP – Um Século de Arte Brasileira – Coleção Gilberto Chateaubriand, Pinacoteca do Estado
  • 2007 – Belo Horizonte MG – Binária: acervo e coleções, Museu de Arte da Pampulha
  • 2007 – Belo Horizonte MG – Neovanguardas, Museu de Arte da Pampulha
  • 2007 – Curitiba PR – Um Século de Arte Brasileira – Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu Oscar Niemeyer
  • 2007 – Fortaleza CE – Tropicália – Brasil em Transe, Centro Cultural Banco do Nordeste
  • 2007 – Londres (Reino Unido) – Hélio Oiticica: The Body of Colour, Tate Modern
  • 2007 – Ribeirão Preto SP – E: conjunção – conexão, Galeria de Arte Marcelo Guarnieri
  • 2007 – Salvador BA – Um Século de Arte Brasileira – Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna da Bahia
  • 2007 – São Paulo SP – Anos 70 – Arte como Questão, Instituto Tomie Ohtake
  • 2007 – Zurique (Suíça) – Face to Face, Daros-Latinamerica AG
  • 2008 – Madri (Espanha) – 27ª Arco, Instituto Feria de Madrid
  • 2008 – Nova York (Estados Unidos) – Untitled (Vicarious): Photographing the Constructed Object, no Gagosian Gallery
  • 2008 – Rio de Janeiro RJ – Penetráveis, Centro de Arte Hélio Oiticica
  • 2008 – São Paulo SP – Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade na Coleção Itaú Moderno, Museu de Arte de São Paulo
  • 2008 – São Paulo SP – MAM 60, Oca
  • 2008 – São Paulo SP – Quando Vidas se Tornam Forma: diálogo com o futuro Brasil-Japão, Museu de Arte Moderna
  • 2009 – Niterói RJ – Arte Contemporânea Brasileira nas Coleções João Sattamini e Mac de Niterói, Museu de Arte Contemporânea
  • 2009 – Nova York (Estados Unidos) – Intersections: The Grand Concourse at 100, no The Bronx Museum of the Arts
  • 2009 – Rio de Janeiro RJ – Nós, Museu da República
  • 2009 – Zurique (Suíça) – Hot Spots: Rio de Janeiro / Milano – Torino / Los Angeles, no Kunsthaus Zürich