Franz Weissmann

BIOGRAFIA

Franz Joseph Weissmann (Knittelfeld, Áustria 1911 – Rio de Janeiro RJ 2005).

Escultor, desenhista, pintor e professor.

Em 1921, desembarca no Brasil com a família, e fixam-se no interior de São Paulo, no ano de 1927 transfere-se para capital Paulista. A família novamente se transfere, dessa vez para o Rio de Janeiro em 1929, começa neste período o curso preparatório para a Escola Politécnica, paralelamente trabalha com sue irmão Fritz, na fabrica de carrocerias de ônibus fundada por seu pai.

O ano de 1933, é de descobertas, passa a visitar freqüentemente Belo Horizonte, onde em 1937 monta seu primeiro ateliê, recebendo neste período várias encomendas para executar bustos e mausoléus de personalidades públicas.

No Rio de Janeiro, entre 1939 e 1941, frequenta cursos de arquitetura, escultura, pintura e desenho na Escola Nacional de Belas Artes (Enba).

De 1942 a 1944, estuda desenho, escultura, modelagem e fundição com August Zamoyski (1893-1970). Em 1945, transfere-se para Belo Horizonte, onde ministra aulas particulares de desenho e escultura.

Três anos depois, Guignard (1896-1962) convida-o a lecionar escultura na Escola do Parque, que mais tarde recebe o nome de Escola Guignard. Inicialmente, desenvolve uma obra pautada no Figurativismo.

1947 casa-se com Neuza Bezerra com quem tem dois filhos, Waltraud e Manfrid.
A partir da década de 1950, gradualmente elabora um trabalho de cunho construtivista, com valorização das formas geométricas, submetendo-as a recortes e dobraduras, utilizando chapas de ferro, fios de aço, alumínio em verga ou folha.

Integra o Grupo Frente, em 1955. No ano seguinte, volta a residir no Rio de Janeiro e participa da Exposição Nacional de Arte Concreta, em 1957.

É um dos fundadores do Grupo Neoconcreto, em 1959. Nesse ano viaja para a Europa e o Extremo Oriente, retornando ao Brasil em 1965.

Na década de 1960, expõe a série Amassados, elaborada na Europa com chapas de zinco ou alumínio trabalhadas a martelo, porrete e instrumentos cortantes, alinhando-se temporariamente ao informalismo.

Posteriormente volta a aproximar-se das vertentes construtivas. Nos anos de 1970 recebe o prêmio de melhor escultor da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), participa da Bienal Internacional de Escultura ao Ar Livre, em Antuérpia, Bélgica, e da Bienal de Veneza.

Realiza esculturas monumentais para espaços públicos de diversas cidades brasileiras, como na Praça da Sé, em São Paulo; no Parque da Catacumba, no Rio de Janeiro; e no Palácio das Artes, em Belo Horizonte.

NASCIMENTO / MORTE

1911 – Knittelfeld, Áustria

2005 – Rio de Janeiro – Brasil

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

  • 1962 – Madri – Espanha – Galeria São Jorge
  • 1963 – Roma – Itália – Casa do Brasil
  • 1964 – Madri – Espanha – “Weissmann: Chapas / Dibujos” – Sala Nebli
  • 1972 – Rio de Janeiro – Galeria Grupo B
  • 1975 – São Paulo – “Franz Weissmann: Esculturas, relevos e múltiplos” – Galeria de Arte Global
  • 1975 – Rio de Janeiro – Petite Galerie
  • 1981 – São Paulo – “A Mecânica do Lirismo” – Skultura Galeria de Arte
  • 1981 – Rio de Janeiro – Franz Weissmann” – Galeria IAB / RJ
  • 1981 – Rio de Janeiro – Galerie Aktuell
  • 1984 – Rio de Janeiro – “A Mêcanica do Lirismo” – Galeria Paulo Klabin
  • 1985 – Rio de Janeiro – “Franz Weissmann: Esculturas Recentes” – Galeria Thomas Cohn
  • 1987 – Belo Horizonte – “Franz Weissmann” – Gesto Gráfico
  • 1987 – São Paulo – “Franz Weissmann – Gabinete de Arte Raquel Arnaud
  • 1987 – Rio de Janeiro – “Franz Weissmann” – Galeria Investiarte
  • 1994 – Belo Horizonte – “Franz Weissmann: Uma construção no tempo” – Galeria AM Esculturas
  • 1994 – São Paulo – Gabinete de Arte Raquel Arnaud
  • 1994 – Ouro Preto – MG – Museu da Inconfidência
  • 1996 – Contagem – MG – “Franz Weissmann: Desenhos e esculturas” – Espaço Cultural Jayme de Andrade Peconick
  • 1996 – São Paulo – MuBe
  • 1998 – Rio de Janeiro – “Franz Weissmann: Uma retrospectiva” – CCBB e MAM/RJ
  • 1999 – São Paulo – “Franz Weissmann: Uma retrospectiva” – MAN / SP
  • 1999 – Nova York – EUA – “Geometry in steel” – Neuhoff Gallery
  • 2000 – Rio de Janeiro – “Weissmann” – Galeria Anna Maria Neimeyer
  • 2001 – Rio de Janeiro – “Weissmann” – Casa França-Brasil
  • 2003 – Rio de Janeiro – “No fio do espaço – Galeria Anna Maria Niemeyer

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

1948 – Rio de Janeiro RJ – 54º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA – medalha de prata em desenho
1949 – Rio de Janeiro RJ – 55º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA – 1º prêmio em desenho
1951 – Rio de Janeiro RJ – 57º Salão Nacional de Arte Moderna, no MNBA – Prêmio Matarazzo de Escultura
1951 – São Paulo SP – 1ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão do Trianon
1953 – São Paulo SP – 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados

  • 1954 – Rio de Janeiro RJ – 1º Grupo Frente, na Galeria Ibeu Copacabana
  • 1954 – São Paulo SP – 3º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia – 1º prêmio em escultura
  • 1955 – Rio de Janeiro RJ – 2º Grupo Frente, no MAM/RJ
  • 1955 – São Paulo SP – 3ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações – 2º prêmio em escultura
  • 1956 – Resende RJ – 3º Grupo Frente, no Itatiaia Country Club
  • 1956 – São Paulo SP – 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/SP
  • 1956 – São Paulo SP – Prêmio Leirner de Arte Contemporânea, na Galeria de Arte das Folhas – premiado
  • 1956 – Volta Redonda RJ – 4º Grupo Frente, na CSN
  • 1957 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/RJ
  • 1957 – São Paulo SP – 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho – prêmio melhor escultura nacional
  • 1957 – São Paulo SP – 6º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
  • 1958 – Rio de Janeiro RJ – 7º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ – prêmio de viagem ao exterior
  • 1958 – São Paulo SP – Clark, Weissmann e Charoux, na Galeria de Arte das Folhas
  • 1959 – Leverkusen (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1959 – Munique (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa, na Kunsthaus
  • 1959 – Rio de Janeiro RJ – 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MAM/RJ
  • 1959 – Salvador BA – 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, na Galeria Belvedere da Sé
  • 1959 – Viena (Áustria) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Hamburgo (Alemanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Lisboa (Portugal) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Madri (Espanha) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Paris (França) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Rio de Janeiro RJ – 2ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MEC
  • 1960 – Utrecht (Holanda) – Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
  • 1960 – Zurique (Suíça) – Konkrete Kunst, na Helmhaus
  • 1961 – São Paulo SP – 3ª Exposição de Arte Neoconcreta, na MAM/SP
  • 1964 – Madri (Espanha) – Weissmann, Calvo y Estrada, na Galería Edurne
  • 1965 – São Paulo SP – 8ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1967 – São Paulo SP – 9ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1970 – Belo Horizonte MG – O Processo Evolutivo da Arte em Minas: de 1900 a 1970, na Fundação Palácio das Artes
  • 1970 – Belo Horizonte MG – Objeto e Participação, , na Fundação Palácio das Artes
  • 1971 – Antuérpia (Bélgica) – 11ª Bienal Internacional de Escultura ao Ar Livre, no Museu de Middelheim
  • 1972 – São Paulo SP – 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
  • 1972 – São Paulo SP – Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
  • 1972 – Veneza (Itália) – 36ª Bienal de Veneza
  • 1973 – Belo Horizonte MG – 5º Salão Nacional de Arte Contemporânea, no MAP – 1º prêmio em escultura
  • 1975 – São Paulo SP – 7º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP – prêmio em escultura
  • 1976 – Campinas SP – 10º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
  • 1977 – Rio de Janeiro RJ – Escultura ao Ar Livre, na Galeria de Arte Sesc Tijuca
  • 1977 – Rio de Janeiro RJ – Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, no MAM/RJ
  • 1977 – São Paulo SP – Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, na Pinacoteca do Estado
  • 1978 – Rio de Janeiro RJ – Escultura Brasileira no Espaço Urbano: 50 anos, na Praça Nossa Senhora da Paz
  • 1979 – Rio de Janeiro RJ – Escultores Brasileiros, na Galeria Aktuell
  • 1979 – São Paulo SP – 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
  • 1980 – Participa da exposição coletiva que inaugura o Gabinete de Arte Raquel Arnaud em São Paulo.
  • 1980 – Rio de Janeiro RJ – Homenagem a Mário Pedrosa, na Galeria Jean Boghici